facebook google + twitter comunidade cadastre-se    sua conta
Saúde da Próstata

ARTIGOS & CIA

 artigos
 colaboradores
 wikipédia
 busca
 cadastre-se
Associação pela Saúde da Próstata

ACESSOS

envolva-se

 

quem somos
o abc da próstata
prostatite
hiperplasia
câncer de próstata
fui diagnosticado
exames grátis
prevenção
notícias
artigos
cadastre-se
sua conta
solicitar palestra
recomendados
fale conosco

 

pacientes

 

família

 

busca
 

COLABORADORES


Teste que reduz muito os erros das biópsias
por Prof. Gláucio Soares

O último número de Modern Medicine traz uma notícia que poderá evitar dores e preocupações, além de reduzir custos.

É um novo teste que diagnostica o câncer da próstata. Esse teste, ainda em fase experimental, poderá evitar erros com graves conseqüências nas biópsias. Há erros nas biópsias.

Um dos poucos erros que o excelente cirurgião que me operou cometeu derivou de uma frase infeliz, porque é errada, a de que faríamos uma biópsia “to rule out” o câncer, para eliminar a hipótese de que eu tinha câncer. Eu fiz, há 17 anos, uma bateria de quatro agulhas, todas negativas; seguida de outra bateria de seis agulhas, também todas negativas. Foi somente na terceira bateria – e muitas semanas depois – que detectou o câncer. Esse erro talvez tenha me custado a cura, porque havia uma perfuração mínima, não visível, na próstata, provocada pelo câncer, que só foi detectada pelo exame histológico na próstata já retirada. Eu, como tantos e tantos pacientes, tive biópsias que produziram falsos negativos.

Por quê? Porque a biópsia é probabilística e não é certeza.

O que o novo teste, que implica num exame histopatológico da amostra retirada, fará é reduzir muito o erro, separando muito melhor os pacientes cancerosos dos não cancerosos, reduzindo os perigosos falsos negativos.

O teste tem um nome complicado – por enquanto: Prostate ConfirmMDx, capaz de detectar mudanças epigenéticas nos genes associados com o câncer da próstata. Cerca de trinta por cento dos homens sobre os quais há suspeita de câncer, não teriam que fazer novas biópsias para detectar o câncer. Foram analisados os resultados referentes a 86 pacientes que tiveram biópsias negativas, mas tinham outras características que criavam a suspeita de que tinham câncer (como um PSA elevado, ou um crescimento acelerado do mesmo).

Esse teste trabalha um gene chamado de APC (adenomatous polyposis coli), cujo valor preditivo negativo (que exclui o câncer) foi de 96%. Ainda não é certeza, mas reduz dramaticamente a margem de erro.

Menos mal...

O Professor Gláucio não é médico, mas paciente. Para diagnóstico e tratamento consultar urólogo e oncólogo.

Clique aqui para ver o link.



PROF. GLÁUCIO SOARES