facebook google + twitter comunidade cadastre-se    sua conta
Saúde da Próstata

NOTÍCIAS

 notícias
 áudios
 vídeos
 busca
 cadastre-se
Notícias

ACESSOS

envolva-se

 

quem somos
o abc da próstata
prostatite
hiperplasia
câncer de próstata
fui diagnosticado
exames grátis
prevenção
notícias
artigos
cadastre-se
sua conta
solicitar palestra
recomendados
fale conosco

 

pacientes

 

família

 

busca
 

NOTÍCIAS


Exercícios ajudam na prevenção e no tratamento pós-diagnóstico do câncer (30/10/2016)
por Carmen Vasconcelos

ref.: Correio

Há quatro anos, a professora aposentada Mila Araújo, 77, descobriu que tinha um nódulo no seio esquerdo. O diagnóstico confirmou a presença de um câncer e ela fez a cirurgia para retirada de uma parte da mama e o esvaziamento das axilas. A presença de um dreno para a quimioterapia e a retirada do tumor terminaram impactando nos movimentos e na circulação dos braços e ela desenvolveu um linfoedema na região, exigindo que iniciasse sessões de reabilitação.

“Eu tinha muito medo da quimioterapia, pois ouvia relatos terríveis, ainda durante o tratamento, fui orientada a buscar uma atividade física como uma forma de minimizar os efeitos colaterais do tratamento e fui percebendo que esses exercícios, junto com o apoio da família, dos amigos me ajudaram a vencer o medo do tratamento, a passar pela perda do cabelo, dos pelos do corpo sem tanta dor”, conta. Hoje, Mila, que sempre gostou de se exercitar, não dispensa a prática do Pilates, a natação e as caminhadas. “Estou aposentada, mas não abandonei os projetos atuais e os do futuro. Descobri que o movimento é a própria vida”, completa.

Um estudo realizado na Universidade de Yale, nos Estados Unidos, mostrou que pacientes com câncer de mama que caminhavam três horas por semana, tiveram em média 46% mais chances de cura, se comparadas às outras pacientes que não possuíam esse hábito. O estudo mostrou ainda que em pacientes que aderiram a essa prática após décadas de sedentarismo, o percentual foi de 33%. Ao contrário do que muitos imaginam, o diagnóstico de câncer não vai exigir repouso absoluto, na verdade, a atividade pode se transformar numa grande aliada tanto na prevenção de cânceres diversos quanto durante o tratamento, vencendo diversos efeitos colaterais do tratamento.

Movimento que cura

Para a fisioterapeuta Helena Mathias, do Núcleo do Movimento Pilates & Reabilitação, existe um medo, um tabu em que o paciente oncológico seja submetido à atividade ou à manipulação, esquecendo que as atividades, desde que bem orientadas e feitas com base no tratamento, auxiliam o paciente a superar efeitos do tratamento, tais como a fadiga, a fraqueza muscular, os formigamentos, a má postura adquirida no pós-cirúrgico, especialmente depois da retirada da mama.  “Para a prevenção, o ideal seria a prática de uma atividade de 150 minutos semanais, preferencialmente que unisse as partes aeróbica e a resistência”, esclarece a fisioterapeuta, ressaltando a importância que essa atividade física traga prazer para quem a pratica.

Com uma postura parecida, o educador físico e mestre em Fisiologia do exercício voltado para a clínica Marcos Motta reforça a postura de Helena Mathias e lembra que o único remédio para a fadiga, especialmente aquela provocada pela quimioterapia, é o exercício físico. “Aliado a tudo isso, o exercício físico melhora as perspectivas de vida e confere mais autonomia e independência para o paciente em tratamento”, esclarece o educador físico.

Marcos Motta pontua ainda que a atividade física estabelece melhoras gerais no organismo, fato que se mostra extremamente positivo para o sistema imunológico. “A atividade física combate a obesidade que nada mais é que um quadro inflamatório, capaz de repercutir no câncer, ajuda a superar a constirpação e promove uma melhora no aparelho digestivo do paciente”, descreve. Segundo o profissional, ainda não é comum a presença de educadores físicos em clínicas e hospitais, mas aos poucos, essa cultura vem mudando com ganhos significativos para os pacientes.

Adequação

A oncologista Renata Cangussu, especialista em tumores femininos, lembra que a atividade física aliada a uma boa alimentação é capaz de prevenir um terço dos casos de câncer. “Naquelas pessoas com diagnóstico, o fato de se manter ativa reduz os efeitos danosos do processo terapêutico”, ratifica, destacando que a prática auxilia a evitar o retorno da doença. “Ao contrário do que se imagina, a paciente em tratamento pode ganhar muito peso em função das alterações hormonais e o exercício impede que isso se torne um agravante para a condição clínica”, diz a médica.

Ela destaca que as contraindicações são poucas e que levam em consideração o quadro clínico geral do paciente que, mesmo não podendo fazer atividades de alto impacto ou pegar peso, por exemplo, pode encontrar alternativas adequadas para o seu caso. Completando a recomendação, o educador Marcos Motta lembra que as  atividades precisarão sempre  ser orientadas por profissionais capacitados, que entendenram a doença e saibam adequar a fisiologia do movimento à necessidade daquela pessoa.

Clique aqui para ver o link.

+ Notícias

28/10/2016 - Sobrepeso aumenta o risco para 13 tipos de câncer
20/06/2016 - Como a atividade física pode ser uma aliada no tratamento do câncer
16/05/2016 - Atividades físicas regulares reduzem risco de 13 tipos de câncers